segunda-feira, agosto 10, 2009

Rogerinho vai pra balada

Você sai de casa animado e perfumadíssimo e vai pra balada muito contente, sabendo que seu Avanço vai durar até o fim da noite! Logo que chega vc já pede logo três vozes de dodka pra comemorar, cujo gosto agora você vai aproveitar melhor, já que não tem mais aquela fumaça nojeeeeeeeenta no ar.

Terminado o segundo trago, tenta puxar a trança da mina ali na frente pra tascar-lhe um beijo não requisitado, mas sua mão escorrega no Kolene do cabelo dela. Você dá uns tapinhas no ombro do garçom pra tirar a meleca da mão, mas fica puto porque não conseguiu pegar a mina, então manda logo oito cervejas pro bucho pra esquecer. Daí vc fica feliz de novo e resolve ir dar umas bandas na pista e esbarra nuns quatro pelo caminho, mas o azar é deles, quem mandou ficar parado ali no meio? Pista de dança é pra circular. Chega na pista e sai causando, passando mão na bunda, puxando cabelo, beijando cangotes como se não houvesse amanhã. Você é o rei da noite no ar puríssimo da balada. O décimo oitavo cara em quem você esbarra não fica tão feliz quando você derruba cerveja na camisa dele e vai pra cima, e você vai pra cima e começa aquele auê. Os seguranças da casa vêm e te dão um pito. Quem eles pensam que são pra falar assim com o rei da noite, eles sabem com quem estão falando?

Você exige falar com o gerente, mas ele é um bunda, que diz que não vai poder fazer nada e que o senhor está claramente bêbado, deveria tomar uma água. Então você diz que se você bebe o problema é seu, você não tá mijando na cabeça de ninguém, tá? Não tá vomitando no pé de ninguém, tá? Eles deviam estar fiscalizando se não tem nenhum fumante escondido no canto jogando essa fumaça nociva e fatal nos outros inocentes, em vez de estar lá, aborrecendo um cidadão de bem, que foi claramente agredido por outro e que não fez nada, absolutamente nada. Os seguranças pedem que você se retire.

No caminho pra casa, você atropela um cachorro, opa, é a malvada fazendo efeito. Ainda bem que a lei do bafômetro não pegou, vc pensa bem feliz, enquanto desvia dos adolescentes que estão atravessando na faixa e acelera para furar o farol vermelho. Aquele trecho é cheio de assaltante, se bobear aqueles moleques estavam ali só esperando pra te roubar mesmo. Será que eu volto é passo por cima? Afinal, bandido bom é bandido morto! Mas foda-se né, você paga o salário da polícia embutido naquele monte de impostos... Se bem que você na verdade nunca pagou imposto nenhum, pensando bem, já que declara bem menos do que recebe. Tem que ser muito otário pra pagar esse tanto de imposto que cobram da gente, né não?

Chegando em casa você jura pra si mesmo que nunca mais vai naquela porcaria de bar, que desrespeito com o cliente, justo você que bate ponto lá toda semana. O ódio cresce mais e mais no seu coração e daí você se lembra que no mês passado você foi lá com aquela loira gostosa do RH que fumava feito uma chaminé mas tinha um belo rabão e que naquele dia você até filou uns 3 cigarros dela, porque todo mundo dá um traguinho quando bebe, né? O que não faz de você um fumante, fumante é um bicho nojento, um viciado sem força de vontade que nunca vai ser nada na vida. Mas não tem mal nenhum em dar umas tragadinha pra impressionar as minas. e a loira ficou super bem impressionada. Ela tirou um monte de fotos de vocês juntos pra botar no orkut. E então a idéia se forma lindamente. Aquele bar nunca mais vai se meter a besta com você, porque você é MUITO esperto. pega a foto de um mês atrás da loira dando uma bela baforada no Marlboro mentolado, escaneia a notinha fiscal e manda tudo pra patrulha anti-tabaco do governo do Estado, dando o nome do bar e a data de hoje. Você é MUITO esperto e vai dormir muito feliz, porque sabe que vive em um Estado livre de poluentes e que apoia e protege os cidadãos de bem como você. Se os fumantes quiserem se matar, que se matem sozinhos, né não? Inclusive a loira do RH, cujo rabão você já conferiu e, como figurinha repetida não completa álbum, não vai te fazer falta alguma.

*Escrevi revoltadinha com a lei, um dia antes dela entrar em vigor. Depois de ler os mais absurdos comentários num fórum da Folha Online, que me fizeram desejar que a tal onda gigante que vai acabar com a humanidade em 2012 seja mesmo uma realidade. Na verdade meu problema não é com a lei. Saí no final de semana e não foi tão ruim, acabei até socializando mais com outros excluídos e etc. Eu acho que ela até faria bastante sentido, não fossem os exageros e o estímulo à intolerância. Meu problema é um bando de bundas-moles idiotas ficarem me olhando com ar de superioridade só porque eu fumo e eles não.

7 comentários:

dima disse...

A sensação de ser portadora de uma anomalia me incomodou demais. A idéia de que fumante é cidadão de segunda classe... Não dá nem mais para lamentar a caretização do mundo.

bjomeliga disse...

Os comentários nas matérias da folha são o supra sumo da ignorância desse povo de meu deus. Agora tá lá o cartaz do filme sobre a vida de Coco Chanel, editado pra tirar o cigarro da mão dela. Ignoremos a personalidade da pessoa que ela foi, afinal fumante é o novo judeu e não queremos judeus por aqui. E ninguém acha isso um absurdo.

Adriana Castro disse...

É como eu digo: a lei não é anti-fumo é anti-fumantes.

E pode crer que se essa história de denúncia for real, que não precisa ser "flagrante" (ó delito, hein! vc fuma e é um criminoso agora), muitos empresários vão rodar. Não por causa de cigarros, mas por pessoas como essas (que existem de verdade) e vc descreveu tão bem no texto.

Se cigarro fosse ilícito, não seria vendido em banca de jornal. Portanto, acho desrespeito eu não poder fumar em determinados estabelecimentos, como bares e casas noturnas. Acho até válido uma separação entre fumantes e não-fumantes, enfim. Mas, a partir do momento que sou tachada de "criminosa" por querer fumar enquanto bebo a minha cerveja, não aceito esse tipo de retaliação que estão fazendo.

Aposto que qdo aprovaram essa lei, ninguém pensou que as ruas da Vila Madalena ficariam sujas com suas milhares de bitucas espalhadas pela madrugada, não é?

Também não pensaram no barulho que as pessoas, que são obrigadas a sair do estabelecimento para fumar, fariam nessas mesmas ruas. E a lei do silêncio? O PSIU vai resolver qdo moradores se sentirem de saco cheio das pessoas falando alto nas ruas? Com toda certeza, não. Afinal de contas, quem aprovou a lei não mora nos arredores dos muitos bares e restaurantes da cidade de São Paulo.

Essa lei nada mais é do que um caça dinheiro. Assim como o CET que multa qdo passamos no farol amarelo para não bloquear o trânsito. Afinal, marronzinhos tem cota de multa por mês, né? Vai ser assim com esses fiscais: cota. multas.

Muito triste. Só lamento.

Daniela disse...

Nem comento mais essa lei. Saco cheio mesmo. E se não for em 2012, algum dia será, pq definitivamente essa experiência deu errado.
Adorei. Bj

Momento Descontrol disse...

Adriana, sensacional seu comentário. Você levantou questões que eu realmente nem tinha pensado. E tá foda mesmo ser olhada como se eu tivesse matado a família toda vez que acendo um ciagrrinho, gents.

Olheiro da Desgraça disse...

Aê Suzana! Muito bom. Eu nem sou fumante, mas a imbecilidade das pessoas também me faz torcer pela onda gigante de 2012, de vez em quando.

Chu disse...

Su, eu não fumo mas acho essa lei absurda. Ainda mais quando li que já são registrados umas 44 denúncias por hora. Ou coisa assim. De dedo-de-seta que liga naquele número pra dedurar quem está "infringindo" a lei. Acho um absurdo que o cagüetismo seja estimulado pela prefeitura e que as pessoas levem isso a sério, fazendo denúncias. Mais um pouco e não se poderá fumar nem dentro de casa. Ditadura velada-da-da-da...