segunda-feira, outubro 31, 2005

Se eu soubesse eu não viria

Hoje foi um dos dias mais chatos de todos os tempos de que se tem notícia em toda a galáxia.
Pronto. Tchau.

Taí

Acabei de me dar conta nesse minuto que faltam só dez dias para eu viajar. Gah. Acabei de me dar conta que não tenho roupa, nem mala, meu cabelo está desbotado e as unhas em petição de miséria. E, claro, finalmente bateu a ansiedade amiga e eu não durmo mais.
Que ótimo.

quinta-feira, outubro 27, 2005

Miele avisa: desliguem seus celulares e pagers

Ninguém mais me guenta nessa fase groupie. Nem eu. Mas é tudo tão mais bonito ao pé do palco, *suspiros*.
Ontem foi a vez de ver o Elvis ? ele vive e está em excelente forma, devo dizer. Foi o show mais longo de toda a minha existência, quase duas horas e meia divididas em lado A e B. E eu estava tão, mas tão pertinho do palco que dava pra ver cada perdigoto que ele cuspia. Acho até que um deles me atingiu, e eu nem limpei, porque era um perdigoto do Elvis, afinal. Profissionalíssimo, ele também não ficou de conversinha com o público ? composto pela mais ampla faixa etária de todos os tempos, ia de meninos de 16 anos, piercing no nariz e braceletes de tachinhas até senhores barrigudos e carecas usando calça santropeito ? e preferia interagir durante as músicas, que ele emendava uma na outra sem parar um segundo. Já chegou mandando todo mundo levantar, e o público bunda fez São Paulo passar o MAIOR carão. Todo mundo bunda gorda, tímido, sentadinho, batendo palminhas, até que ele ficou puto e berrou ?STAND UP!!?. Só faltou emendar um ?porra?. Daí os menores de quarenta correram pro pé do palco e soltaram a franga. Na primeira hora eu confesso que fiquei meio nhé. Não conhecia a maioria das músicas e estava preocupada em não derrubar a velhinha que estava na minha frente e não amassar o terno dos executivos cafonas atrás de mim, então fiquei batendo pezinho no chão e pensando ?nossa, que foda, ele já contracenou com o Sean Pean, que foda?. Mas de Pump it up pra frente o show mudou, hit atrás de hit e finalmente deu pra baixar a pomba-gira, jogar a velhotinha longe e cuspir no terno dos executivos. Tudo bem, eu não fiz isso. Mas foi só porque eles se afastaram antes, provavelmente com medo de levar um pisão do meu salto 10, quadrado. E daí foi uma hora e meia de pura alegria, mesmo com a versão meia-boca, escangalhada e mau-humorada que ele fez de She, lendo a letra. Pela qualidade das fotos, dá pra ver que eu tava emocionada e com Parkinson. Queria que todos os shows fossem assim: compridos e confortáveis, com garçons me trazendo bibidinhas o tempo todo. Nhé.



Elvis não sua nunca e quase engoliu um mosquito.









Irritado com os bunda-gorda, ele pede pra galera "chegar mais"











Parece apenas um borrão, mas é Elvis lendo a letra de She.

Minutos de Sabedoria

Sábias palavras vindas de um sábio homem: "ter a consciência limpa vale ouro, mas NÃO TER CONSCIENCIA não tem preço".

quarta-feira, outubro 26, 2005

Tecnologia, amor e ódio

gasp, gasp, ZZzzDea®zzZZZzzZ.. ronc.. zzzzz diz:
putz
Suzana diz:
pois não, senhora?
gasp, gasp, ZZzzDea®zzZZZzzZ.. ronc.. zzzzz diz:
imprimindo loucamente aqui
gasp, gasp, ZZzzDea®zzZZZzzZ.. ronc.. zzzzz diz:
to passada! como agora no sistema 10 tudo é mais fácil!
Suzana diz:
ai, esse mundo, não?
gasp, gasp, ZZzzDea®zzZZZzzZ.. ronc.. zzzzz diz:
in cri vel!
gasp, gasp, ZZzzDea®zzZZZzzZ.. ronc.. zzzzz diz:
ops
gasp, gasp, ZZzzDea®zzZZZzzZ.. ronc.. zzzzz diz:
imprimiu errado

jump, jump

Eu odeio que me peçam para dar "um pulinho" onde quer que seja. Odeio ter que sair da minha bolha autista de música no fone e vagabundagem, porque hoje não tem porcaria de nada pra fazer mesmo a não ser esperar por Elvis, logo mais. E quando eu estou no auge do refrão, me pedem para dar pulinhos.
Ah, dá licença, viu?

terça-feira, outubro 25, 2005

Fight test

Cause I'm a man not a boy
and there are things you can't avoid
you have to face them when
you're not prepared to face them
(...)
I don't know where the sun beams end and the starlight begins
it's all a mystery
And I don't know how a man decides what's right
for his own life - it's all a mystery

Cadê o Super-Homem pra girar a Terra ao contrário, pelamor?

Esse ano não cansa de ser ruim não? Tá querendo ganhar a medalha de pior de todos os tempos? Já ganhou, já ganhou, agora vá se embora e não deixe herdeiros.
Assim não há pollyanice que guente.

segunda-feira, outubro 24, 2005

Curitiba 1 x São Paulo 0

Definitivamente eu não tenho mais idade pra show em estádio. Não tenho mais o menor saco pra ver os músicos do tamanho de Barbies ou ficar fazendo força pra escutar alguma coisa naquela acústica horrorosa. O som estava tão baixo que eu escutei mais os mineiros atrás de mim featuring Strokes do que o próprio Julian. Ódeo. Sou uma octogenária que gosta de lugares pequeninos e abafados e ponto final. E arrisco dizer que Anhembi, nunca mais. Lugarzinho tosco e cheio de policiais à cavalo duzinferno, credo, creeeeeeeeeedo.
Mas tanto Kings of Leon quanto Strokes fizeram shows impecáveis, escolheram o repertório à dedo e fizeram a vida da gente mais feliz. Acho até que impecáveis demais. Kings não jogou conversa fora: entrou, tocou e foi embora. Assim, sem mais. Strokes foi mais simpático, Julian trocou algumas palavrinhas (incompreensíveis metade pelo sotaque, metade pelo porre em que se encontrava) e fizeram aquele show irrepreensível. Tão perfeito que podia ser o CD, e isso me incomoda um tantinho. Gosto quando rolam improvisações ou momentos inesperados. Mas, enfim, foi um PUTA show. E devo acrescentar: o que é Julian no palco, não é mesmo, pessoal? Ele está cada dia mais Edward mãos de tesoura e não perde o charme. E parou de chover e eles tocaram todas as minhas favoritas do primeiro CD, então fiquei bem contente. E antes deles ainda teve os ensebadinhos do Arcade Fire que, apesar do uso abusivo dos teclados, achei beeeeem legal.
Mas e hoje, o que faço com esse sono e essa dor nas juntas de octogenária, minha gente?

sexta-feira, outubro 21, 2005

Desvarios no Brooklyn

Cada página lida é uma bofetada em minha cara.
Acho que estou virando masoquista. Justo eu que nunca fui disso.

quinta-feira, outubro 20, 2005

And It's Asian

Eles com certeza tomaram todo tóxico do universo antes de fazer esse vídeo (tem que clicar em "and it's asian" pra aparecer o vídeo). Japonês fazendo coisa engraçada faz a coisa ficar mil vezes mais engraçada.
Pior que eu curti a música.

Injustiça

Eu não ganhei na Megasena de novo. E dessa vez eu tinha certeza ABSOLUTA que ia ganhar. Bom, eu sempre fico surpresa por não ganhar, porque sempre tenho certeza que vou. E isso é muito triste, porque a pessoa planeja tudo bonitinho, faz listas de que lugares vai conhecer primeiro e quanto dinheiro vai dar pra cada conhecido, qual o modelo do barco e a cor do carro que vai comprar e daí - BUM. Nada. Outra pessoa, que não deve ser nem de longe tão organizada, vai e ganha. Isso é muito injusto e triste. Muito. A revolta me consome.

Vem Pearl Jam, vem

Enfim, confirmado: Serra recua e Pearl Jam toca no Pacaembu.
Careca duzinferno. Agora é tirar o pó dos CDs que eu não ouço há 10 anos e caprichar na Maracujina pra controlar os nelvos.
Ufs.

quarta-feira, outubro 19, 2005

Adoráveis Nerds

Oba, filme novo com o lindinho do Jake Gyllenhaal. Adoro muito esse menino, adoro todos os papéis esquisitos dele, adoro a cara de nerd e o andar meio corcunda. Aliás, a irmã dele também está sempre interpretando esquisitonas sensacionais. Os dois juntos em Donnie Darko foi tão legal. Eu queria um nerd assim pra mim.

segunda-feira, outubro 17, 2005

Carente de *u é *ola



post secret - tudo que vc quer dizer, mas não tem competência.

sexta-feira, outubro 14, 2005

Whata feelling

Daniela fez um post que me fez pensar na vida. ali?s, ela est?sempre fazendo isso. Saia já da minha mente!
Felicidade é um troço estranho. Acho que é meio que nem ser magro ou bem sucedido. Todo mundo TEM que ser magro. Todo mundo TEM que chegar ao topo da carreira. E todo mundo TEM que ser feliz, pois não ser é anormal. Pois eu acho que anormal é gente feliz o tempo todo. Não dá. Quem está feliz o tempo todo é retardado, ignorante (no sentido literal mesmo, de ignorar o mundo ao redor) ou está abusando de substâncias ilegais. E a cobrança pra que a gente esteja feliz o tempo todo, animado, de bem com a vida, u-huuu, que vibe, vou te dizer, é um pé no saco.
Se vocês querem saber, eu me acho mais charmosa quando melancólica, acredito que chorar emagrece e prezo muitíssimo meus profundos pensamentos depressivos. Claro que não quero estar assim o tempo todo, da mesma forma que não consigo ficar feliz o tempo todo. Mas ainda acredito que é melhor ser alegre que ser triste, sim.
E pra reforçar, eu passei a vida inteira escutando o seguinte conselho: "minha filha, felicidade não existe, o que existe são momentos felizes. Por isso, aproveite todos muito bem". E daí quando estou num momento muito, muito feliz, me bate uma nostalgiazinha daquele momento que ainda está acontecendo, porque eu sei que ele vai acabar e que eu vou precisar te-lo muito vivo na memória pra me levantar no próximo tombo. E é assim que é e pronto, porque eu sou normal, que nem todo mundo.

segunda-feira, outubro 10, 2005

sexta-feira, outubro 07, 2005

Miolos, por que tê-los?

Essa semana fiz três horas de terapia, tipo uma maratona. Adiantou, mas não totalmente. Então amanhã eu vou cair de boca no bazar da Carmim e mergulhar nas gôndolas loucamente. Pode ser que não faça a inquietação passa, mas com certeza vou ficar tão cansada e bem vestida que não vou mais nem ligar pra ela por uns dois dias.

quarta-feira, outubro 05, 2005

Pearl Jam

E continua a novela em torno da vinda da banda pra São Paulo. Pra mim, a grande graça de morar nessa cidade é ter certeza que tudo (ou quase) que é interessante, passa por aqui. Que apesar do trânsito, do cheiro ruim, da poluição, da violência e dos ônibus lotados, a gente tem acesso à diversão como ninguém. Eu sempre acreditei que, morando em SP, só não sai de casa quem não quer, tem barulho pra todo gosto e bolso e sempre adorei essa cidade por isso. E daí vem um cara desse, que já envergonha a gente por mil outras razões, a começar por sua cara de vampiro brasileiro e a terminar por seus princípios TFP, restringir um show que a galera está esperando há mais de 10 anos?? Me dá tanta gastura que não consigo nem argumentar direito. Aqui tem gente que argumenta muito melhor que eu - e também um abaixo-assinado que será enviado para o careca.
Sim, isso foi um piti. E desse eu não me arrependo nem um pouco. Nhé.

Para o infinito e além

Estive pensando esses dias sobre o final de ano. Pra mim, não é segredo pra ninguém, vai ser bem punk. Não estou a fim, não quero que chegue, quero que o ano pare em novembro pra sempre. Mas, como isso não vai acontecer, eu gostaria de não precisar estar perto de ninguém nessa época, de não precisar sorrir sem ter vontade nem de trocar receitas de chester. A idéia de ficar sozinha em casa olhando pela janela também não me agrada. Então, o que eu queria mesmo era passar as duas últimas semanas do ano na Patagônia e na Terra do Fogo (sempre quis ir pra Terra do Fogo só por causa do nome) sem nenhum conhecido por perto. Eu, minha mochila, e outros excursionistas desconhecidos que não saberão nada sobre a minha vida e o meu ano e não vão ficar me olhando com peninha. Por enquanto, o único jeito de realizar esse desejo é tentar a sorte no bingo. Mas, quem sabe? É uma idéia em gestação.

segunda-feira, outubro 03, 2005

Astral

Impressionante como eu recorro aos astros nos momentos de crise. Impressionante também como não consigo lembrar de uma única vez em que tenha sido útil. Bom, pelo menos é divertido, vai.

Capricornianos são...

Estrela Guia: Vega - heim?
Cores: Marrom - eca, odeio essa cor de velho.
Amor: Racional - você está certo disso?
Virtude: Prudência - ok, tem razão.
Vício: Egoísmo - sim, muito.


Definitivamente eu devo estar sob a regência do ascendente. Só pode.

Geração saúde

Nesse final de semana eu bebi demais, fumei demais, fritei demais. Dormi e comi de muito menos. Me sinto como um detetive dos anos quarenta. E o pior é que foi muito bom.