quarta-feira, setembro 24, 2008

Amores e dentes

Duas coisas que tem muito em comum. Amores e dentes. Parece loucura, mas faz todo o sentido. Quer ver? Tem gente que só cuida daqueles seis dentões da frente, que aparecem quando você sorri. E só da parte da frente. Um dia o dentista pega o espelhinho e mostra que lá atrás está tudo podre, tudo coberto de placa e manchado, bem nojento. No amor a mesma coisa. Pra muita gente, só importa o que aparece. Enquanto ninguém perceber a placa e as manchas, tudo bem, mesmo que VOCÊ se incomode quando olha pra elas. É mais fácil não olhar.

Daí você resolve que não vai olhar mais, então. Porque é feio e nojento e você sabe o que aquilo significa: dor. Na cadeira do dentista ou no coração partido, no caso do amor. O tempo passa e passa e a nojeira lá escondida até de você mesmo. Daí você sente aquela pontadinha e SABE: fodeu. Mas pontadinhas vêm e vão. Não são insuportáveis, não são urgentes e não aparecem. Um remedinho (Spidufen para dentes, Prozac e alcool para amor) e ela vai embora. Reaparece vez por outra, outro remedinho.

Esse ciclo de dor-remédio-dor-varrer pra baixo do tapete-dor pode durar anos, até que você é obrigada a fazer alguma coisa. O dente quebrou, você se apaixonou por outro. Mil variáveis aí no meio. O problema é que quando você só faz uma coisa porque é obrigado a fazer, é porque já não tem muito o que salvar. Você vai botar um jaquetão no dente e passar o resto da vida com medo dele cair ou então vai ter um baú de remorsos por ter traído alguém que já foi muito importante para você, um dia.

Eu estou no meio de um tratamento dentário, que eu só comecei a fazer porque um dia acordei achando que estava tendo um aneurisma, de tanta dor de cabeça. Não, era o canal que tinha finalmente acordado. Ele estava me avisando há uns 3 anos, pontadinhas esparças. E a minha fobia de dentista dizendo "não é nada, dá pra aguentar mais um pouco". Agora vai doer mais, vai demorar mais, vai ser muito mais caro e traumático. E eu sabia o tempo todo que isso ia acontecer, mas fiquei acreditando na força do pensamento positivo, só porque tenho paúra de motorzinho.

E no meio de uma consulta, entre um "ai" e outro, comecei a pensar no quanto a minha vida amorosa se parecia com aquilo. A diferença é que, na vida amorosa, não tem anestesia, não tem levantar o dedinho para dizer que está doendo e não se ganha escovas de dentes grátis. Quando estraga, só tem um tratamento: arrancar. E sem ponto.

Portanto, assim como nos dentes, o que vale mesmo é a prevenção: ficar de olho, prestar atenção, consultas periódicas ao especialista e tratamento pesado ao menor sinal de pontadinha. A menos que seja um dente do siso, daqueles que não servem para nada.

Agora bochecha e cospe.

terça-feira, setembro 23, 2008

Ajuda eeeeeeeu

Eu deveria querer cortar meu cabelo porque sou mulherzinha, porque tenho auto-estima, porque quero ficar gatchenha.

Mas eu quero porque vou encontrar o chefe semana que vem e, se ele me vir assim, com esse look creio em deus style, me demite na hora. Meu cabelo tá uma bosta e eu aceito sugestões de corte. Nenhuma idéia. Por favor me ajudem a manter meu emprego enviando sugestões.

Update, a pedidos. Meu cabelo tá uma merda DESSE tanto:



sábado, setembro 20, 2008

De repente, 30

Eu sempre achei meio ridículo esse pavor que as mulheres tem dos 30. 20, 30, tudo a mesma merda. Tenho medo é dos 50 e não decidi ainda se quero chegar lá. Além disso, me acho muito mais bonita, gostosa, inteligente e phyyyyyyyyna hoje do que há 10 anos, absolutamente mais. Na última década, aprendi a dar menos chiliquinhos, pintar o cabelo na cor certa, comprar sapatos, combinar roupas, fazer escolhas, pegar ônibus sozinha, até viajar sozinha eu fui. Eu não tinha lá muita graça aos 20, para falar a verdade.

Mas. Agora me pego todos os dias me fazendo perguntas muito mais difíceis de responder do que aquelas que me assombravam os 20. Perguntas como "será que eu tenho colhões para ficar sozinha o resto da vida?", "será que eu quero ter filhos? (e daí começo a contar nos dedos os anos de fertilidade que me restam)", "Será que eu quero essa carreira (e é bom querer, porque não dá mais tempo de mudar)?", "Será que eu gasto tempo demais vendo TV?"., "Eu já não deveria saber o que fazer da minha vida?"...

É uma sensação esquisita essa de achar que metade da sua vida já foi. Antes, lá nos 20, eu pensava "nooossa, ainda tenho um tempão pra decidir". Agora eu tenho certeza que não dá mais tempo para certas coisas. Eu tenho que acertar, senão já era. Resto da vida vivendo uma escolha errada. Ou não.

Continuo não tendo pressa de fazer coisa alguma, mas isso não tem a ver com a idade, e sim com a minha eterna, imensa, infinita e crônica preguiça. Só que agora eu sinto uma culpinha. Pode ser que eu nunca realize algumas coisas.

Faltam uns 3 meses pra eu deixar os 20 definitivamente para trás e ingressar nesse mundo bizarro que assusta tanto a mulherada. Por enquanto, o que mais me incomoda é o preço dos cremes para maiores de 30. São caríssimos.

quarta-feira, setembro 10, 2008

Costume

Roubei da Stella. É só trocar galináceo verde por Nintendo DS e trânsito nojento de SP por modorra nojenta de Curitiba, e tcharãn: essa também é a minha vida.

"Pensando sobre como a gente se acostuma demais com as coisas da nossa vida. E digo não só as boas tipo brincar com meu galináceo verde mas também as ruins e nocivas...

Por exemplo por que raios São Paulo tem que ter um trânsito nojento a qualquer hora do dia, mesmo que cada dia que passa eu saia mais meia hora antes pra não atrasar? Por que os serviços são mal prestados e a gente se conforma? Por que todos os trabalhos do mundo tem picuinhas e coisas non sense e a gente reclama mas não faz nada pra mudar? Por que a gente briga com os pais eternamente mesmo sabendo que não muda nada?

Por que a gente acredita que carreira salva a nossa vida? Por que a gente sente culpa perante Deus se às vezes nem sabe se acredita nele? Por que a gente tem medo de admitir que tem medo? Por que a gente chora, diz que não sabe a razão só pra não pagar de loser? Por que a gente não se conforma em ser loser ao invés de caçar "alguém pior" pra servir de consolo? Por que a gente finge que é moderno se queria viver como nossos avós? Por que a gente finge que se interessa quando quer mais é ler uma piada ou mandar um e-mail para o namorado? Por que a gente se acha superior só porque tem um cargo ou uma posiçãp superior perante um grupo?

Por que a gente fica neurótico com horários e esquece de ser neurótico com o tempo pros nossos amigos, pessoas que amamos de verdade e não o prospect, network etc? Por que a gente não vive nossos sonhos e manda o resto pra merda?"

Não sei por que. Só sei que odeio.

segunda-feira, setembro 08, 2008

Al Gore e os zumbis

Curitiba é uma cidade phyna e se orgulha disso. Suas ruas são arborizadas, as pessoas recolhem MESMO o cocozinho do cachorro e eu nunca vi ninguém jogando lixo na rua, sequer cuspindo. Tem cartazes espalhados mandando você separar o lixo e latas de coleta seletiva em todo o lugar.

Sendo eu uma pessoa extremamente influenciável e sensível à pressão, aprendi a separar o lixo orgânico do não orgânico, pelo menos. Não tenho ainda cinco lixeiras diferentes em casa, mas já cogito. Tenho pensado no filhote do filhote que ainda vai nascer.

Daí tava passando o filme do Al Gore na HBO no meio do feriadão. É aquele tipo de coisa que eu sempre senti a obrigação de ver, menos pela preocupação ambiental e mais pela pose cinéfila wannabe (todo mundo viu, hello). Vamos ver então, qual a parcela de culpa que me cabe na destruição do planeta. Dormi no meio do terceiro slide.

Dormi gostoso, sonhei com uma nova raça de zumbis, que embora comesse seres humanos, andava normalmente e era muito mais inteligente, então não era atacada pelos zumbis comuns, por também ser zumbi, e assim dominava todos os humanos não zumbis. E eu fazia parte dessa raça dominante, portanto não precisava temer os outros zumbis. Acordei extremamente revivogarada, sem me lembrar de uma única palavra de Al. HBO exibia Terra dos Mortos, ao qual assisti todinho, com uma fronha semi-enfiada na cabeça e gritando a cada 3 minutos.

Me parece muito mais realista fazer parte de uma raça evoluída de zumbis do que contribuir para o salvamento do planeta. Muito, muito triste. Me sinto mal pelo Al. Ele parece boa pessoa e eu não pretendo mordê-lo quando me tornar um zumbi.

Estou à toa na vida

Dá uma culpinha deliciosa saber que o mundo inteiro trabalhou hoje menos eu, porque é feriado aqui em Curitiba. Para ajudar, faz um frio enlouquecedor lá fora e eu posso ficar enroladinha na manta, comendo biscoito de chocolate e assistindo Family Guy. Momentos que fazem a vida valer a pena.

Mas é claro, o catolicismo me impede de sentir só prazer na culpa. Tem a maior pilha de louças do mundo na pia - sério, eu acho que é um recorde olímpico, uns oito metros de pratos - e eu estou convencida de que devo lavar pelo menos alguma coisa, para não assustar a faxineira amanhã, para que ela não lave pratos e privada com a mesma esponja.

Só me faltam forças para sair do sofá e tomar uma atitude. Nem pro xixi.

quinta-feira, setembro 04, 2008

Constatação

Eu estou a cinco minutos de virar a esquina.

quarta-feira, setembro 03, 2008

Expectativa de vida

Dizem que as emoções influenciam na expectativa de vida das pessoas. Ou talvez não digam e eu tenha inventado só pra ter assunto. Fato é:

Comprar um sapato novo e lindo: mais dois anos de vida.
Comprar um sapato novo, lindo e que combina perfeitamente com sua saia favorita, que não combina com nada: mais dez anos de vida.
A tira do sapato arrebentar na segunda vez que você usa: menos 25 anos de vida.

Conclusão: pé gordo do caralho.