segunda-feira, fevereiro 21, 2011

Pelo direito de ser esquisitinha

Hoje fui almoçar com meu livro. Passei a manhã com cara de poucos amigos e desviando dos planos de almoço dos colegas, porque estava ansiosa para ficar a sós com as 784 páginas do dito cujo. Tocou a sirene da paulista anunciando a hora do bóia e eu continuei sentadinha em minha cadeira, esperando o frenesi dos esfomeados desocuparem os elevadores.

Quando sentei na minha mesinha perto da janela do Franz Café da Fnac e abri meu livro, quase chorei de felicidade. Tudo que eu queria era aquela uma hora e meia de entretenimento puro e compromisso exclusivo com a minha pessoa.

Voltei pra labuta muito mais serena. E daí as pessoas começaram a se penalizar por mim e perguntar por que eu não tinha ido encontrá-las ou pedido para elas me esperarem porque MEU DEUS DO CÉU, QUE CRIME É ESSE DE ALMOÇAR SÓ. Olhares de pena, comentários de reprovação.

Me senti o mais esquisito dos seres, e olha que eu nem comentei que na verdade eu QUERIA ficar só. Quando comentei no twitter que não queria me sentir esquisita por isso, me mandaram me mudar pra Islândia.

Talvez eu já tenha mesmo perdido o parâmetro. É realmente tão abominável assim preferir, às vezes, a companhia do meu escritor favorito à de outras pessoas? É mesmo fundamental que eu tenha sempre que confraternizar, falar, ouvir, sorrir, tirar comentários perspicazes da cartola? A única opção pra quem não está a fim de calor humano O TEMPO TODO é se mudar pra um país distante cheio de Bjorks e gelo?

Quanto mais eu penso nisso tudo, mais vontade me dá de ampliar minha biblioteca até o infinito. J.D. Sallinger, te entendo.

13 comentários:

Dinorah disse...

Ufa! como lhe entendo! que bom, que por uns poucos instantes você pode sumir para a Islandia!
Beijos, boa semana!
ps.: como é o nome da obra magnífica que voc~e está lendo, fiquei curiosa.
Dinorah

Fulano disse...

A propósito, qual é seu twitter?

Chu disse...

Su, eu sempre almoço sozinha. Trabalho quase 100% do tempo sozinha. Fico muito tempo em casa sozinha, trabalhando. Vou ao cinema sozinha. Viajo sozinha. Sim, me acham esquisita. Mas eu nem ligo!

Hoje foi quase uma exceção. Eu fui lá almoçar com a Dani porque agora tenho horários de almoço livres e posso visitar amigos em seus horários de almoço. :)

Suzana disse...

Pois então almocemos mais juntas! A menos q uma de nos tenha um livro espetacular nos convidando... Dinorah, tenho vergonha de dizer. É espetacular, mas cafonerrimo. Magno, é @suzanita. Me add!

Pávula disse...

Então... devo mesmo ser muuuito estranha. Tipo, eu iria para a Islândia na maior! :)
Bjs!

R. disse...

eu sempre almoço sozinha .-.
tem dia que eu quero ficar em paz com os meus próprios pensamentos, os estranhos sao os que dizem que é estranho querer um pouco de paz de vez em quando u.u

LanBorges disse...

Você não está sozinha não. E tenho uma dica: existem filmes de 90 min ou menos na Av. Paulista bem na hora do almoço. ;)

isa disse...

Nossa, Su, acho que nos últimos anos passei 90% das minhas horas de almoço sozinha, lendo um bom livro. Tô com você!

♡Kaah♡ disse...

Sabe que sofri bullying na faculdade por isso... por preferir ficar com livros, ou comigo mesma à ficar encehndo a cara, ouvindo m*rd* e musica ruim com os outros!

sasse disse...

Vem pra ca. Você vai se sentir no paraíso. E eu tambem quero saber que livro é esse! Francamente, neste blog fica mais feio você esconder a informação que contar o nome do livro cafona...

Suzana disse...

Ai, tá bom, tá booooooom. É o novo da Maryan Keyes, batizado com o magnífico nome de "Cheio de Charme" (uuuum desejo enoooorme - viva roupa nova). Essa mulher acaba com minha vida social.
Eu acho que a gente devia montar um clube dos leitores solitários. eu faço os biscoitinhos, desde que a gente possa ficar lendo sem se falar. QQ6acham?

LizandraMA disse...

Eu já li!!!! Pedi de amigo secreto e li entre o Natal e o Ano Novo. É um dos mais legais, inclusive nas bizarrices. Depois vou querer TANTO comentar com você!!!!
A nível de eu e meus livros, passei um mês em Buenos Aires estudando, lendo, dormindo e indo a livrarias, que por lá estão em cada esquina. Você não acredita como é libertador! Eu, imagine você, estou louca para mudar para qualquer lugar.
Pode ser Buenos Aires mesmo, que não é nada mal... e a vida é bem mais barata do que aqui.
Beijo e me conta quando terminar de ler!!!

Suzana disse...

Se vc for mudar pra lá, me leva juntooooooooooooooo????