quarta-feira, agosto 11, 2010

Coisas que valem a pena

Vira e mexe eu me pergunto por que diabos ainda mantenho este blog. Ele nasceu há 10 anos, quando eu tinha toda uma juventude inocente pela frente, estava apaixonada pelo moço mais errado do mundo e queria mostrar pra ele o que ele estava perdendo. Também ia no churras da facul e dançaria "I gotta a feeling" com os olhos fechados e os bracinhos pra cima se tal música existisse. O Momento Descontrol nasceu pra que eu pudesse me auto-afirmar e equivalia a um "oi, tô aqui, olha pra mim, me ama!". Não tinha nem comentários, era só eu falando pataquadas sem saber pra quem ou por que.

Felizmente, o tempo passa e hoje eu sou uma senhora de respeito, dona do meu nariz, mãe de três filhinhos (cãozinho, gatinho 1 e gatinho 2), com um corte de cabelo bapho, excelente gosto para sapatos e namorada do moço mais certo do mundo. E ainda consigo passar uma noite inteirinha em cima do salto sem reclamar. O moço mais errado do mundo ficou para trás - e graças ao Orkut eu sei que ele hoje é gordo e careca.

É claro que sou uma senhora de respeito ainda um pouco neurótica, ainda um pouco descontrolada e ainda bastante insegura. Mas já sei a maioria dos por quês e já não preciso mais gritar pro mundo que sô rikah, sô bunita, tô na moda. Também já não sou mais tão bobinha para achar que minhas opiniões são geniais a ponto de interessar pra alguém, tampouco tenho saco de fazer um diarinho da minha vida suuuper interessante. Praticar a escrita, porque eu gosto de escrever? Posso fazer isso e guardar só pra mim. Então, what's the point?

Daí ontem recebi um e-mail de uma pessoa que veio aqui e leu o blog algumas vezes. Foi uma das coisas mais bonitas que alguém já me escreveu - não porque era cheio de elogios nem nada assim. Mas porque essa pessoa dizia que havia passado por tantas coisas parecidas e se identificado com tantas outras e que havia morrido de rir em alguns textos. A parte que eu mais gostei foi:

"Na maioria das vezes você nunca saberá qual foi o sentimento que seu post despertou nas pessoas, são anônimos, você pode até quantificar, mas não saberá o que despertou em cada leitor".

Porque é verdade, a gente sai despejando tanta coisa na internet sem nem pensar que tá cheio de gente do outro lado. Gente que pode ficar mexida de alguma forma. Sair daqui mais feliz ou mais triste ou mais indignado. Eu nunca pensei que isso acontecesse, embora eu saia assim dos blogs que leio. E é bem gostoso saber que tem gente que, mesmo cheia de coisa para fazer, tira uns minutinhos para vir aqui e dar atenção para esse monte de besteira.

Então eu acho que, embora o tempo passe e tudo melhore, certas coisas não mudam. Eu mantenho o blog porque eu gosto de conversar. Simples assim.

Wagner, vc me fez ganhar o dia, a semana e o mês inteiro com o seu e-mail. Não mereço mesmo aquilo tudo. Muito obrigada!

13 comentários:

bjomeliga disse...

Por um minuto eu achei que você fosse fechar o blog, mas o Wagner me salvou nos 45 do segund tempo e agora ele é meu herói pessoal forever and never.
A gente cresce, amadurece, compra sapatos, casa, descasa, mas sempre tem uma boa história na manga. Ou uma depressão compartilhável. E é isso que faz nossos diarinhos valerem a pena. Bom, é o que eu acho.

Bel Campos disse...

hoje vc me fez repensar minha trilha de blogs e de coisas espalhadas por essa internet...
no fim é assim, gosto mesmo é de conversar! rs

paula disse...

fala pro Wagner que eu tb agradeço ele por ter te feito enxergar os bebefícios do seu blog para outras pessoas, tipo a gente!

acho que todo o povo em geral que escreve em blogs que não são pagos para tal coisa, têm essa impressão de que não tem muito porque fazer isso...

...mas mesmo que não pareça, sempre tem um alguém que se identifica - ou se indigna - com o que a gente escreve...

eu adoro o seu blog e passo aqui todo o dia para ver se tem algo novo, confesso! e fico superfeliz e me identifico com os seus posts e morro de rir - quando o assunto é para rir, claro...

=)

Anônimo disse...

Eu tb passo todo dia aqui.
Na maioria das vezes é pra rir.
Vc tem umas sacadas de mestre.
Sarcasmo puro. Adoro.

Tem dias q dá pra chorar tb.
Como o episódio do sapato perdido e do xixi do cachorro na cama.

Nem sempre comento, mas sempre acompanho.

E já li teu arquivo algumas vezes.
E já enviei posts inteiros por email pra amigas, pra elas rirem, ou chorarem ou meditarem tb.

Bjuxx

July

Anônimo disse...

Sou tb uma leitora anonima que nunca se manifestou e fiquei com medo de de repente esse blog desaparecer, assim como tantos outros q eu adorava.
Wagner obrigada tb, rsrs

Carolina disse...

Menina, que susto! Comecei a ler o post e pensei que era uma despedida. Te leio tem milênios e adoro vir aqui.
Beijo

sasse disse...

Bota mais uma coisa na listinha dos porquês de manter o blog: "nunca esquecer de que tem uma pá de gente que gosta de você".

Anônimo disse...

Nunca desdenhe do passaso, não se esqueça de onde veio e pra onde vais... Saber reconhecer o "sapato" que não lhe cai mais bem é o resultado do seu amadurecimento. Parabéns por evoluir nesses últimos 10 anos, olhe para frente e continue a escrever, depositar aqui o que nem sempre é verdade, mas que sinceramente é muito bem escrito.

Suzana disse...

Gente, obrigada, muito mesmo. Eu realmente às vezes esqueço que tem gente tão querida aí do outro lado. E nunca é demais lembrar né?

E olha, 98% das coisas escritas são verdade sim, viu? Pelo menos são a minha verdade.

Anônimo disse...

Durante o tempo que vc morou em Curitiba era um alivio pra mim ler seus posts, hoje já estou mais acostumado e quase integrado a cidade, mas foi muito legal saber que tinha outras pessoas com as mesmas angustias que as minhas, me ajudou muito.

valeu

Suzana disse...

Que bom ouvir isso! Pena que não nos encontramos quando eu morava por aí, pois Curitiba é uma cidade bonita, mas muito, muito tímida. É muito difícil fazer amigos por aí. Fico bem contente que vc tenha se integrado, pois assim é bem mais fácil curtir o que ela tem de bom.

Mme. Cedilha disse...

te entendo mais do que você imagina. quando eu mais pensei em abandonar o meu blog, foi e-mail de gente que eu nunca vi, mas que parecia me conhecer bem, que me segurou.

isso não tem preço.

:)

bj.

Juliana disse...

Oi Suzana, tudo bem?

Cheguei aqui ao seu blog ontem em autêntico "momento descontrol", tentando sobreviver a uma dor de cotovelo master que, como a maioria das que passei, sempre chega e se instala às vésperas da virada do ano (inferno astral, oi?). Li todos os posts da home do seu blog, daí cheguei a este aqui, em que vc fala da evolução dos últimos dez anos de blogagem. Fiquei bem curiosa, pois lendo seus textos mais recentes, adorei suas considerações, seus comentários e seu humor caprica diante desses fatos indeléveis da vida. Acho que sou parecida em muitas das coisas que vc escreveu - excluindo, talvez, o fato de que não fumo, não sou tão fã de punk (espero que isso não seja imperdoável... rs), ainda não adotei o gato que pretendo trazer pra casa e, apesar dos dez anos de e(in?)volução, continuo me apaixonando pelos caras mais errados do mundo, rs.

Mas aí, por causa das semelhanças e do que vc comentou neste texto, fui fuçar nos seus posts iniciais e vi que vc provavelmente se formou em jornalismo na Cásper, em 2000 (assim como eu). Talvez a gente tenha até se encontrado por lá em algum momento. Mas minha vida blogueira começou um pouco mais tarde, lá por 2006, e eu mesmo passando por vários, até hoje não dou tanta vazão a todo meu potencial caprica lá na minha esquina virtual (talvez pelo estilo do próprio blog, ou por medo de espantar as pessoas... rs).
Mas talvez, também, isso seja bobagem. Seu blog é ótimo e concordo com o Wagner: muitas vezes, a gente não sabe o efeito que causará nos outros se abrir um pouco mais a boca e contar sobre as próprias experiências. Ler suas coisas me ajudou muito hoje.
Espero voltar aqui mais vezes.

Beijos e parabéns!
da Juliana