terça-feira, julho 08, 2008

Uma dúvida

Ontem fui tomar meu café da manhã em um dos 28 cafés metidos à besta aqui do Centro. É metido à besta mas é limpinho e tem revista grátis e eu vou lá todo dia. Beleza. Daí tava numa vibe proletária, já que era dia de pagamento e eu não tinha um tostão furado, e pedi um pão na chapa. Quase pedi uma cachaça pra acompanhar, mas estava com uma certa azia e desisti.

Daí veio meu pão na chapa. Todo arrumadinho no prato, cercado por gergelins e com um belo talo de salsinha adornando. Me deu uma saudade profunda e dolorida da padaria tosca lá de Pinheiros, onde o pão na chapa vinha com as sujeirinhas da chapa e gosto de hamburguer. Escorreu uma lágrima pela minha face esquerda.

E então eu comecei a pensar por que essa obcessão dos restaurantes pretensamente pheenos ou metidos à besta pelo talo de salsinha. TUDO que é prato vem com o maldito talo em cima, que pode variar e ser de hortelã, às vezes. Sopa vem adornada por salsinha. Sorvete. Churros. E agora, pão na chapa. Eu acho meio inadmissível isso, sabe?

Além do impacto ambiental que certamente deve ter, já que não há salsinha que chegue nesta vida pra tanto restaurante metido à besta, e o nosso direito de ser proletário? De comer um pão na chapa com gosto de chapa e com manteiga escorrendo?

Quando o mundo perceber que não temos mais direito de escolha, será tarde demais. Teremos sidos dominados pelas salsinhas e só nos restará chorar. Não digam que eu não avisei.

3 comentários:

sasse disse...

além de tudo isso aí que você falou e eu concordo profundamente, talo de salsinha me lembra da boca grande de um cálega de trabalho.

o caso é que ele teve a infelicidade de soltar na roda de amigos que a mãe dele usava os malfadados talinhos para curar prisão de ventre, quando ele era criança.

e, veja, não era pelas propriedades quimicas da planta, mas pelas propriedades físicas do tal talinho.

deixo a descrição da cena a cargo da imaginação dos leitores.

Alexal disse...

Numa das crônicas de “A mesa voadora”, Luís Fernando Veríssimo começa uma “campanha” para abolir a salsinha das mesas de todo o mundo. Por salsinha, ele chama tudo o que é superfluo. Ta vendo? Vc ja escreve tão bem quanto o Verísssimo!

Eu amo salsinha :) mas o meu pão na chapa eu quero com manteiga e gostinho de hambúrguer.

Suzana disse...

Sassê, a prática dos talinhos é muito mais comum do que vc pensa. Vc mesmo deve ter sido vítima, mas bloqueou a recordação. :-S

Alexal, se eu escrevo tão bem quanto ele, cadê a minha parte em dinheiro? Na verdade eu também adoro salsinha, mas como comida, não como decoração, porque daí fica sendo só uma coisa verde que atrapalha.