terça-feira, novembro 11, 2008

Terra de ninguém

Neste último ano o que eu mais tive foram achaques silênciosos. Eu sempre fui de ter muitos achaques, mas sempre compartilhados, geralmente com mãe, irmã ou namorado. Agora, para sorte deles todos, meus achaques são só meus. Ficam bem guardadinhos aqui, por um monte de motivos. Porque eu preciso de um pouco de privacidade. Porque eu tenho preguiça, porque eu tenho vergonha, porque não dá tempo, porque estou longe.

E é estranho pensar que tem aquela eu que faz as coisas que tem de fazer, que responde, que sorri. E por baixo disso tem uma vida inteira acontecendo, uma vida inteira que só eu conheço. As vezes é meio solitário, às vezes é bom. O que os outros poderiam dizer que eu já não sei? Eu passei a vida inteira falando e falando sem parar para pensar. Agora, eu só penso e penso sem parar para falar. Desta boquinha não sai nada além de amenidades.

Diz a lenda que isso se chama amadurecimento. Será? Torço para que seja mesmo, para ter alguma vantagem nisso tudo. Cá entre nós eu sou chata pra caralho e péssima conselheira. Se pudesse, já teria me mandado à merda.

4 comentários:

Camis disse...

Se eu me mandasse à merda toda vez que mereço teria de viver dentro dela.

dima disse...

Olha eu aqui de novo! Vc sabe que eu sinto EXATAMENTE a mesma coisa? Acho que sim, parte é amadurecimento, mas a maior parte é de se estar longe de tudo que sempre foi a nossa zona de conforto. Qd estamos do lado de gente nova só dá para falar amenidades mesmo ou passaremos por loucas. Conversas um pouco mais profundas, principalmente sobre nós mesmas, são um tanto impróprias... Os amigos de verdade, aqueles que deixamos lá em SP, não teriam esse julgamento. (ou sabem da nossa loucura e nos amam mesmo assim).
Não é fácil estar longe, né? Exiladas, uni-vos!
beijos da Dima

Momento Descontrol disse...

Dima! Sua sumida! SeJE minha amiga virtual, pelamor! Me escreve no email, vamos afogar esse exílio nem que seja por carta!.

Camis, ainda bem que existem os amigos para nos mandar a merda por nós, né?

dima disse...

Cheguei a te mandar um mail daquela outra vez que nos falamos, mas ele voltou e não consegui mais falar com vc. humpf! Me escreve: dimalice@gmail.com
beijo!