terça-feira, julho 27, 2010

Porta dos desesperados do amor

Sergio Malandro costumava oferecer três portas. Em duas tinham monstros, em uma tinha um prêmio. Eu sempre torcia pra sair o monstro, porque era muito mais engraçado.

E essa é a minha vida amorosa: eu continuo preferindo o monstro. O prêmio é lindo, eu não vejo nenhum defeito nele. É cobiçado, caro, cheiroso, rikoh (no caso da minha vida amorosa, rikoh jamais existiu, mas vamos relevar). O prêmio era tudo que as crianças (ou as moçoilas) queriam. Daí elas ganhavam o prêmio, brincavam por uma semana e pimba! Na semana seguinte já estavam de saco cheio dele, de olho em um novo prêmio, que também era caro, lindo, cheiroso e rikoh. O prêmio sempre me entediou soberbamente.

Mas poxa, o monstro é MUITO mais engraçado, provoca sobressaltos, é marcante. Ok, vc fica pensando "porra, tirei o monstro, que diabos eu vou fazer com esse monstro?". Mas fazer o que? Você tirou o monstro e tem que conviver com ele. No começo é insuportável, ele fica grunhindo, te dando sustos, te fazendo chorar na frente das outras criancinhas. Não é certo, não é o que a sociedade espera de você. Simplesmente não era isso que você tinha sonhado pra sua porta dos desesperados!!!

Daí vc repara que o cabelo e a roupa do monstro são muito mais engraçados do que assustadores. Que o monstro tem um papo que não se encontra por aí em nenhum prêmio. Nenhuma bicicleta jamais tratou você daquele jeito antes! As criancinhas, que antes faziam escárnio de você e te apontavam na rua, querem usar seu monstro para assustar os irmãos menores. E, melhor de tudo, você pode ter um monstro diferente a cada dia, depende do humor com que ele acorda, enquanto o prêmio é sempre igual.

É claro que nem tudo são flores com o monstro. Enquanto a bicicleta é absolutamente pacata e previsível, o monstro ainda pula de trás de portas quando você menos espera e berra e grunhe. Você fica odiando o monstro. Mas sente saudade dele quando passa por uma porta e não tem nada atrás dela.

Desta metáfora concluo que amadurecer é assumir que você é uma pessoa de monstro, não de prêmio. E ser muito feliz justamente por causa dos sustos, não apesar deles.

3 comentários:

Dani disse...

Acredite se quiser, ontem fui tomar um drinkezinho fim de tarde com as amigas e quem estava lá? Sérgio Malandro.. rs.
E a questão é... fazendo uma força incrível prá gostar do prêmio, no momento,mas olha... acho que devo ser da turma do monstro tb.
Bj.

Suzana disse...

Hahahaha, sabe que foi um post seu que me inspirou a escrever esse?

JP disse...

Olá! Sou uma paulistana de 41 anos com um relacionamento gemelar incomum. E foi pensando nele que criou um blog para reunir histórias de gêmeos contadas por eles próprios ou por seus familiares. Em Vizinhos de Útero você encontra relatos de gêmeos adultos, depoimentos de pais, fotos de gêmeos famosos e artigos relacionados. Se você é gêmeo ou tem filhos gêmeos, tenha sua história postada também!
Abs, Jemima Pompeu
http://www.vizinhosdeutero.blogspot.com
Twitter: @vizinhosdeutero